Entre as pedras sagradas, ou cipes, que foram descobertas em sítios arqueológicos etruscos, algumas distinguem-se pelo seu material e cor. São crânios de traquito preto ou diorito, cuidadosamente polidos e frequentemente de forma ovóide ou fálica, muitas vezes com pequenos detalhes gravados, em particular um símbolo representando uma seta de dois pontas, associada no mundo grego e etrusco a relâmpagos.

O “Libri Fulgurales

Sabemos pelos autores antigos que a religião etrusca se baseava em vários livros sagrados: o libri haruspicini (permitindo às haruspices ler as mensagens dos deuses nas entranhas dos animais sacrificados), o rituais libri (compilando os ritos da vida diária e pública, bem como rituais funerários e as maravilhas da natureza) e os libri fulgurales. Estes definiram os diferentes tipos de relâmpagos e o seu significado, pois os Etruscos consideravam este fenómeno como mensagens divinas que os sacerdotes tinham de interpretar para manter o equilíbrio na relação entre os humanos e os deuses. Como Séneca escreve, “os Etruscos não acreditam que as coisas têm significado porque acontecem, mas que acontecem com o único propósito de ter significado”(Natural Questions, II, 32,2). Estes livros também continham um calendário ‘brontoscópico’, oferecendo uma interpretação de trovões e eventos celestiais para cada dia do ano. Nigidius Figulus, um contemporâneo de Cícero (98-44 AC), tinha traduzido um calendário semelhante para o latim.

Uma Origem Oriental?

A crença na linguagem divina dos relâmpagos é atestada em muitas religiões, especialmente no Próximo Oriente entre os caldeus. No entanto, não podemos associar sistematicamente todas as calotas de traquite com relâmpagos, mas é certo que as pedras negras foram objecto de culto em todo o Mediterrâneo: a pedra negra do santuário de Afrodite de Kouklia em Chipre, Lapis Níger no Fórum Romano, e mesmo a pedra negra da Kaaba, já venerada pelos árabes no período pré-islâmico.

Fotografia:

Caveira etrusca em trachyte, descoberta perto da abadia de Sant’Antimo, agora guardada no museu Montalcino. A seta de dois pontos no topo simboliza o relâmpago. Altura: 39 cm, diâmetro: 30 cm e peso: 31 kg.

Fonte da fotografia: J. Labregère